Nosso objetivo neste trabalho é mapear a situação das artes plásticas em Belo Horizonte nos anos 60 e 70, focalizando a emergência das neovanguardas e a formação da arte contemporânea. Discutimos a questão da vanguarda e da contemporaneidade a partir de referências teóricas e fazemos um recorte no circuito artístico da cidade, apontando – além de eventos polêmicos – artistas, críticos e galeristas cujo trabalho é marcado pela inovação.

Clique aqui para ler a publicação.