Imprimir

Pesquisadores da Fundação João Pinheiro traçam perfil dos prefeitos brasileiros

Data de publicação .

Estudo foi realizado a partir de dados dispon√≠veis no TSE sobre as elei√ß√Ķes realizadas entre 2000 e 2016

Quem s√£o os prefeitos dos 5.570 munic√≠pios brasileiros? Quais s√£o os atributos sociais e profissionais dos vitoriosos nos √ļltimos pleitos? Para responder a essas perguntas, pesquisadores da Funda√ß√£o Jo√£o Pinheiro produziram o Perfil dos prefeitos eleitos nos munic√≠pios brasileiros: estudo evolutivo das elei√ß√Ķes realizadas no per√≠odo entre 2000 e 2016, que buscou tra√ßar as principais caracter√≠sticas dos eleitos e avaliar o impacto desses atributos no sucesso eleitoral.¬†

Com base nos dados básicos provenientes dos relatórios eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a pesquisa analisou características demográficas (sexo, idade) e sociais (escolaridade, ocupação) dos candidatos. 

O estudo constatou que o perfil evolutivo dos prefeitos nas √ļltimas cinco elei√ß√Ķes retrata, predominantemente, a presen√ßa de homens, a crescente expans√£o de eleitos com n√≠vel superior completo, a eleva√ß√£o da faixa et√°ria e ocupa√ß√£o principal ligada a escal√Ķes superiores do poder p√ļblico, empres√°rios e gerentes.¬†

A pesquisa também revelou uma tendência que evidencia, dentro de um conjunto de atributos esperados, pré-requisitos mais exigentes para ingresso ao campo político local, especialmente em municípios com melhores índices de desenvolvimento humano. 

O √ćndice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) tamb√©m influenciou o perfil dos candidatos eleitos, como explica a pesquisadora Simone Dufloth. ‚ÄúOs munic√≠pios de grande porte, com alto desenvolvimento humano, como capitais, t√™m atividades econ√īmicas mais diversas, oferecem uma estrutura complexa de servi√ßos aos habitantes, e s√£o centros de decis√Ķes que influenciam n√£o somente a vida local, mas os estados e as regi√Ķes onde se encontram e, em alguns casos, todo o pa√≠s‚ÄĚ.

Segundo ela, nesses locais os dados demonstram que √© mais dif√≠cil ingressar na carreira pol√≠tica, pois as estruturas partid√°rias s√£o mais complexas e parte dos prefeitos eleitos geralmente j√° tinham uma intensa atividade pol√≠tica e um hist√≥rico de ocupa√ß√£o de cargos p√ļblicos.¬†

‚ÄúPor outro lado, nos munic√≠pios com menor IDHM √© mais comum ter como prefeito eleito um comerciante, um professor, um m√©dico ou uma pessoa com pouca experi√™ncia na vida pol√≠tica‚ÄĚ, salienta.¬†

Mulheres - Os resultados das urnas nas cinco √ļltimas elei√ß√Ķes assinalam a sub-representa√ß√£o das mulheres nas prefeituras brasileiras, apesar de um cont√≠nuo aumento do percentual de eleitas para o cargo entre 2000 e 2012 e relativa estabilidade na elei√ß√£o de 2016.

O estudo aponta que, na eleição de 2000, 5,7% dos prefeitos eleitos eram do sexo feminino. Já em 2012, esse percentual alcançou 11,8%, enquanto, em 2016, 11,6% dos eleitos eram mulheres. 

Na an√°lise dos resultados desagregados segundo faixas do √ćndice de Desenvolvimento Humano Municipal, observou-se que a sub-representa√ß√£o persiste e adquire padr√£o caracter√≠stico. ‚ÄúDe forma sint√©tica, pode-se dizer que munic√≠pios que apresentam os menores n√≠veis de desenvolvimento humano elegem mais mulheres relativamente aos demais, sendo que, √† medida que aumenta o n√≠vel de desenvolvimento, diminui o percentual de mulheres eleitas‚ÄĚ, analisa Dufloth.¬†

Nos munic√≠pios de ‚Äúmuito baixo‚ÄĚ desenvolvimento humano ficou evidente o aumento da representa√ß√£o feminina, que teve significativo incremento entre 2000 e 2016, passando de 5,7% para 22,9%.

Em rela√ß√£o √†queles munic√≠pios de maior desenvolvimento humano n√£o se observou padr√£o evolutivo espec√≠fico. Os resultados apontam que candidaturas femininas, especialmente em munic√≠pios de ‚ÄúM√©dio‚ÄĚ, ‚ÄúAlto‚ÄĚ e ‚ÄúMuito alto‚ÄĚ desenvolvimento humano t√™m probabilidades de sucesso de elei√ß√£o sistematicamente inferiores em rela√ß√£o a candidaturas masculinas.

Ao se analisar os resultados desagregados por grandes regi√Ķes brasileiras, ao longo das elei√ß√Ķes ocorridas nos anos de 2000, 2004, 2008, 2012 e 2016, foram identificados os mais elevados percentuais de prefeitas eleitas nas regi√Ķes Nordeste (em 2016, 16,0%) e Norte (14,7%), enquanto no Sudeste (8,8%) e Sul (7,2%) foram apurados os menores percentuais de participa√ß√£o feminina. De forma geral, ao longo das elei√ß√Ķes esse percentual aumentou em todas as regi√Ķes, com algumas poucas exce√ß√Ķes.

Idade - Os resultados evidenciaram padrão etário característico aos prefeitos eleitos, com concentração no grupo de 40 a 54 anos. Entretanto, chama atenção o fato de que a participação desse grupo vem diminuindo desde a eleição de 2012 e, consequentemente, vem aumentando a participação dos grupos mais jovens (20 a 39 anos) e mais velhos (55 anos e mais).

√Ä medida que aumenta o n√≠vel de desenvolvimento humano, aumenta tamb√©m a idade m√©dia dos prefeitos. Na elei√ß√£o de 2016, por exemplo, os munic√≠pios classificados como de ‚Äúmuito baixo‚ÄĚ desenvolvimento humano apresentaram idade m√©dia de 44,9 anos para os prefeitos eleitos, sendo sistematicamente elevada at√© 51,0 anos nos munic√≠pios de ‚Äúmuito alto‚ÄĚ desenvolvimento humano.

Instru√ß√£o - No decorrer do per√≠odo analisado, a pesquisa aponta que cresceu o n√≠vel de instru√ß√£o dos prefeitos eleitos. Em 2000, 38,7% declararam possuir n√≠vel superior completo, percentual que passou para 52,6% no ano de 2016. Por outro lado, os resultados apontam que enquanto na elei√ß√£o de 2000, do total de prefeitos, 15,5% n√£o tinham o primeiro grau completo, em 2016, esse percentual era de 7,0%, fruto de quedas sucessivas e significativas ao longo das cinco elei√ß√Ķes.

No que se refere ao IDHM, municípios com os menores índices tinham os menores percentuais de prefeitos eleitos com nível de instrução superior e, à medida que foram registrados aumentos do nível de desenvolvimento humano nessas localidades, esse percentual também cresceu de forma significativa.

No diferencial por sexo, o grau de instru√ß√£o das prefeitas eleitas no Brasil mostrou-se mais elevado do que o dos prefeitos nas elei√ß√Ķes de 2000 a 2012. Segundo o estudo, em 2000, 38,2% dos homens eleitos declararam ter n√≠vel superior, enquanto, para as mulheres, esse percentual era de 48,1.¬†

Ocupa√ß√£o - O estudo revela importantes mudan√ßas do perfil das categorias ou grupos ocupacionais declarados pelos prefeitos eleitos ao longo das elei√ß√Ķes de 2000 a 2016. Se em 2000 ‚Äúos profissionais das ci√™ncias e das artes‚ÄĚ predominavam como a principal ocupa√ß√£o (28,4% do total), a partir da elei√ß√£o de 2008, o grupo ‚Äúmembros superiores do poder p√ļblico, dirigentes de organiza√ß√Ķes de interesse pol√≠tico e de empresas e gerentes‚ÄĚ ganhou crescente relev√Ęncia, chegando a 40,0% dos eleitos nas elei√ß√Ķes seguintes.

Coordenadora do projeto, a pesquisadora Cl√°udia Guimar√£es destaca nesse grupo ‚Äúos membros superiores do poder p√ļblico que na sua quase totalidade declaram ter como ocupa√ß√£o prefeito ou vereador, o que os situa como pertencentes a uma carreira pol√≠tica, sendo reeleitos no mesmo cargo ou eleitos em outros cargos pol√≠ticos‚ÄĚ.

Deputados estaduais - O grupo de pesquisadores que desenvolveu o estudo trabalha com o perfil dos pol√≠ticos brasileiros desde 2012, tendo os primeiros resultados direcionados aos deputados estaduais, com an√°lise das elei√ß√Ķes de 1998 a 2010 e, posteriormente, de 2014.

Esse estudo apresentou um perfil caracter√≠stico espec√≠fico que foi se acentuando a cada elei√ß√£o analisada, com deputados majoritariamente do sexo masculino, de idade m√©dia entre 45 e 48 anos, n√≠vel de escolaridade superior completo e ocupa√ß√£o declarada como ‚Äúmembro superior do poder p√ļblico, dirigente de organiza√ß√Ķes de interesse pol√≠tico e de empresas e gerentes de membro do poder p√ļblico‚ÄĚ. Essa categoria de ocupa√ß√£o envolve cargos p√ļblicos eletivos ou n√£o, al√©m de altos gestores de organiza√ß√Ķes.

O Perfil dos prefeitos eleitos nos munic√≠pios brasileiros: estudo evolutivo das elei√ß√Ķes realizadas no per√≠odo entre 2000 e 2016 pode ser acessado no endere√ßo https://goo.gl/gZRRjN.

Imagem: Reprodução/internet

 

Assessoria de Comunicação | Fundação João Pinheiro

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. | www.fjp.mg.gov.br

Informa√ß√Ķes para a imprensa: (31) 3448-9561 | 3448-9588

 

Siga a FJP no Twitter: https://twitter.com/_fjp_

Acompanhe a FJP no Facebook: http://www.facebook.com/fjpoficial