Imprimir

PIB de Minas Gerais recua 0,7% em termos reais e atinge o valor de R$ 516,6 bilh√Ķes em 2014

Data de publicação .

 

 

 

 

 

 

O PIB do Estado de Minas Gerais, em 2014, atingiu o valor de R$ 516.634 milh√Ķes e apresentou decr√©scimo de 0,7% em termos reais (Tabela 1). A queda em volume do PIB foi explicada, em grande medida, pelo baixo dinamismo da atividade industrial (principalmente da ind√ļstria de transforma√ß√£o e da constru√ß√£o civil) e pelos impactos do longo per√≠odo de escassez de chuvas sobre a atividade agropecu√°ria e sobre a gera√ß√£o de energia hidroel√©trica estadual. Apesar do resultado negativo no ano, a economia de Minas Gerais continuou a ocupar o posto de terceiro maior PIB entre as unidades da federa√ß√£o em 2014. Entretanto, houve perda de participa√ß√£o no PIB nacional, que passou de 9,2% em 2013 para 8,9% em 2014. Al√©m da queda em volume do PIB, a redu√ß√£o de 14,7% do deflator impl√≠cito do valor adicionado da atividade de extrativa mineral ‚Äď em raz√£o da queda nos pre√ßos internacionais do min√©rio de ferro no ano ‚Äď, foi determinante para entender a perda de participa√ß√£o de Minas Gerais no PIB nacional.

Em 2014, atividade agropecu√°ria apresentou queda de 5,7% em volume (Tabela 1). A redu√ß√£o de 4,6% no √≠ndice de volume de valor adicionado pela agricultura foi muito influenciada pelo desempenho negativo da cafeicultura e, em menor propor√ß√£o, pelo desempenho desfavor√°vel das safras de milho, soja e cana-de-a√ß√ļcar. De acordo com a Pesquisa Agr√≠cola Municipal (PAM), em 2014 houve recuo na quantidade produzida de caf√© (-14,8%), de milho (-6,5%), de soja (-0,9%) e de cana-de-a√ß√ļcar (-0,7%). Na pecu√°ria, a diminui√ß√£o de 2,1% no √≠ndice de volume se deve √† redu√ß√£o da oferta de reses para corte e reposi√ß√£o do rebanho. J√° a abrupta queda de 14,8% na atividade de produ√ß√£o florestal e pesca √© explicada, em boa medida, pela retra√ß√£o na produ√ß√£o de madeira em tora no Estado.

A atividade industrial foi a mais afetada pela contra√ß√£o econ√īmica em 2014, com recuo de 2,9% no volume. Dentre os subsetores industriais com redu√ß√£o no √≠ndice de volume agregado est√£o a constru√ß√£o Civil (-2,2%), a ind√ļstria de transforma√ß√£o (-5,0%) e a produ√ß√£o e distribui√ß√£o de energia e saneamento (-7,7%). Apenas a ind√ļstria extrativa mineral apresentou expans√£o do volume de valor adicionado (1,7%) (Tabela 1). No caso da ind√ļstria de transforma√ß√£o a queda esteve ligada √† evolu√ß√£o desfavor√°vel na produ√ß√£o das categorias de uso de bens de capital e bens de consumo dur√°veis, intimamente ligados √† Forma√ß√£o Bruta de Capital Fixo. De acordo com a Pesquisa Industrial Mensal ‚Äď Produ√ß√£o F√≠sica (PIM-PF), por exemplo, houve recuo de 14,4% na produ√ß√£o de produtos met√°licos, de 7,7% na fabrica√ß√£o de m√°quinas e equipamentos e de 18,5% na produ√ß√£o de ve√≠culos automotores. Em rela√ß√£o √† produ√ß√£o e distribui√ß√£o de energia e saneamento o resultado negativo se deve a menor gera√ß√£o de eletricidade pela matriz hidroel√©trica dado o baixo n√≠vel de √°gua dos reservat√≥rios estaduais. J√° o resultado negativo da constru√ß√£o civil em 2014 foi corroborado pela retra√ß√£o no estoque de empregos formais registrados pelo setor.

Tabela 1 ‚Äď Valor corrente do PIB e dos Valores Adicionados Setoriais (R$ 1.000.000) e Varia√ß√£o real e do Deflator impl√≠cito no ano de 2014

Especificação

Valor Corrente (1.000.000 R$)

Variação real (em volume) (%)

Variação do Deflator implícito (dos preços) (%)

 
 

Produto Interno Bruto (PIB)

516.634

-0,7

6,6

 

Impostos, líquidos de subsídios, sobre produtos

62.481

0,2

5,3

 

Valor Adicionado Total

454.153

-0,8

6,8

 

Agropecu√°ria

25.586

-5,7

12,7

 

Agricultura, inclusive o apoio à agricultura e a pós-colheita

13.665

-4,6

17,0

 

Pecuária, inclusive o apoio à Pecuária

7.850

-2,1

8,2

 

Produção florestal, pesca e aquicultura

4.071

-14,8

8,1

 

Ind√ļstria

130.897

-2,9

2,8

 

Ind√ļstria extrativa

27.805

1,7

-14,7

 

Ind√ļstrias de transforma√ß√£o

59.828

-5,0

9,0

 

Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação

10.640

-7,7

12,5

 

Construção

32.624

-2,2

7,2

 

Serviços

297.670

0,6

8,2

 

Comércio, manutenção e reparação de veículos automotores e motocicletas

57.844

2,0

7,4

 

Transporte, armazenagem e correio

20.458

1,3

6,8

 

Serviços de alojamento e alimentação

11.272

1,4

30,9

 

Serviços de informação e comunicação

11.165

2,1

3,1

 

Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados

17.795

2,9

16,7

 

Atividades imobili√°rias

43.754

-0,1

9,3

 

Atividades profissionais, científicas e técnicas, administrativas e serviços complementares

32.572

-2,8

2,1

 

Administra√ß√£o, educa√ß√£o, sa√ļde, pesquisa e desenvolvimento p√ļblicas, defesa, seguridade social

71.892

-0,3

10,3

 

Educa√ß√£o e sa√ļde mercantis

16.009

0,2

4,9

 

Artes, cultura, esporte, recreação e outros serviços

8.369

5,9

0,6

 

Serviços Domésticos

6.540

2,2

-3,5

 

Fonte: Funda√ß√£o Jo√£o Pinheiro (FJP), Centro de Estat√≠stica e Informa√ß√Ķes (CEI) ‚Äď Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica (IBGE), Coordena√ß√£o de Contas Nacionais (CONAC).

Os servi√ßos apresentaram, em 2014, varia√ß√£o positiva de 0,6% em volume e ganharam participa√ß√£o dentro da economia do Estado, representando 65,5% do valor adicionado bruto total. Em termos de comportamento do √≠ndice de volume agregado pelos subsetores pode-se dizer que houve ligeiro recuo em 2014 nas atividades da administra√ß√£o, educa√ß√£o e sa√ļde p√ļblica, defesa e seguridade social (-0,3%) e nas atividades imobili√°rias e de alugu√©is (-0,1%). Houve tamb√©m desacelera√ß√£o nas atividades profissionais, cient√≠ficas e t√©cnicas, administrativas e servi√ßos complementares (-2,8%) ‚Äď o que pode estar atrelado √† queda da atividade industrial ‚Äď j√° que alguns desses servi√ßos s√£o prestados √†s empresas. Nos demais subsetores de servi√ßos houve expans√£o do n√≠vel de atividade: com√©rcio e manuten√ß√£o e repara√ß√£o de ve√≠culos automotores (2,0%); transporte, armazenagem e correios (1,3%); servi√ßos dom√©sticos (2,2%); artes, cultura, esporte, recrea√ß√£o e outros servi√ßos (5,9%); intermedia√ß√£o financeira, seguros e previd√™ncia complementar e servi√ßos relacionados (2,9%); servi√ßos de informa√ß√£o (2,1%); servi√ßos de alojamento e alimenta√ß√£o (1,4%) e, por √ļltimo, educa√ß√£o e sa√ļde privada (0,2%) (Tabela 1).