Imprimir

30.5.2017 - Deputada quer sistema de cotas raciais para a Fundação João Pinheiro

Data de publicação .

 

 

 

Portal de Notícias BHAZ

Terça-feira, 30 de maio de 2017

A deputada estadual Mar√≠lia Campos (PT) protocolou, na √ļltima semana, um projeto de lei na Assembleia Legislativa que estabelece a reserva de 20% das vagas dos cursos de gradua√ß√£o em Administra√ß√£o P√ļblica da Funda√ß√£o Jo√£o Pinheiro (FJP) para negros.

A a√ß√£o afirmativa contemplaria apenas os candidatos negros oriundos de escolas p√ļblicas e tem por objetivo ‚Äúcontemplar a diversidade da popula√ß√£o mineira‚ÄĚ.

‚ÄúHoje, a grande maioria dos alunos da FJP s√£o de escolas particulares, de poder aquisitivo alto e s√£o brancos. √Ä medida que se incluem os negros oriundos de escola p√ļblica, voc√™ democratiza o acesso e cria oportunidades para os que vivem desigualmente‚ÄĚ, explicou ao¬†Bhaz¬†a deputada Mar√≠lia Campos.

 

O projeto da deputada pretende fazer parte da proposta do governador Fernando Pimentel (PT) de atualiza√ß√£o das a√ß√Ķes afirmativas na Unimontes (Universidade Estadual de Montes Claros) e na Uemg (Universidade Estadual de Minas Gerais). Ap√≥s a negocia√ß√£o com o executivo, ser√° marcada uma audi√™ncia p√ļblica na Assembleia para tratar do assunto. Ainda de acordo com Campos, a ideia √© que a vota√ß√£o do PL ocorra o ‚Äúmais r√°pido poss√≠vel‚ÄĚ, para que inclua os discentes aprovados no concurso deste ano.

A proposta √© uma antiga demanda do movimento¬†Cotas em Minas,¬†que tem por objetivo pressionar o governo por cotas no servi√ßo p√ļblico do Estado.

O curso de gradua√ß√£o em Administra√ß√£o P√ļblica da Funda√ß√£o Jo√£o Pinheiro tem por objetivo formar profissionais especializados em Pol√≠ticas P√ļblicas e Gest√£o Governamental no Estado. Al√©m de receberem uma bolsa enquanto alunos, os estudantes, ap√≥s formados, imediatamente iniciam uma carreira como servidores p√ļblicos do governo de Minas Gerais.

Proposta de Fernando Pimentel para a Uemg e a Unimontes

Em mar√ßo deste ano, o governador Fernando Pimentel apresentou um projeto de lei que atualiza o sistema de cotas nas duas universidades estaduais de Minas, a Uemg e a Unimontes. Desde 2004, ambas as institui√ß√Ķes j√° contam com programas de reservas de vagas.

A PL do governador comp√Ķe um conjunto de a√ß√Ķes afirmativas que visam a¬†inclus√£o e manuten√ß√£o, no ensino superior, de estudantes oriundos de escolas p√ļblicas, de negros e ind√≠genas e de pessoas com defici√™ncia f√≠sica e mobilidade reduzida, classificados como social e economicamente vulner√°veis. Al√©m disso, incorpora, o Programa de Assist√™ncia Estudantil, em busca da garantia do acesso e das condi√ß√Ķes de perman√™ncia dos estudantes nas universidades p√ļblicas do Estado.

Pela proposta, cada uma das duas institui√ß√Ķes de ensino superior vinculadas ao governo do Estado dever√° reservar, em cada curso de gradua√ß√£o, p√≥s-gradua√ß√£o e curso t√©cnico de n√≠vel m√©dio por elas mantido, um percentual de vagas (m√≠nimo 45%) para os grupos de candidatos.

A ideia de Marília Campos, agora, é votar a atualização do programa de reserva de vagas da Uemg e da Unimontes em conjunto com o projeto de lei do novo sistema de cotas da Fundação João Pinheiro.

Com Agência Minas